terreola

Neste feriado chuvoso que coincide com uma ponte e em que toda a gente vai para a terra, ou a sua própria ou a dos pais ou avós, X fica sempre um bocadinho nostálgico. Isto de ser alfacinha é muito útil e tal, mas não se pode considerar a cidade como… a terra.
Devido a esta razão, e à sua fraca aptidão no que respeita a trabalhar a terra, ela própria, X tem tentado ao longo dos tempos criar uma pequena horta na marquise para se aproximar de uma terra que gostaria que fosse a sua. Já plantou de tudo, desde cebolinho a salsa, mas as coisas não crescem e não cheiram. É que nem o cão lá vai pesquisar a verdura. X gostava de ter tido uma terra para aprender a… trabalhá-la e, se o conseguisse, era meio caminho andado para ser um excelente cozinheiro. Poupava fortunas, emagrecia e combatia o colesterol, seria mais fácil atirar com outro charme para cima das convidadas e, em suma, seria mais… terra a terra.
Porque carga de água é que uns a têm e outros não?

Advertisements

Leave a comment

Filed under Uncategorized

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s